Loja virtual

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.3.1″][et_pb_row _builder_version=”3.2.2″][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.2.2″ parallax=”off” parallax_method=”on”][et_pb_post_title meta=”off” _builder_version=”3.2.2″ title_font=”||||||||” title_text_color=”#0c71c3″ title_letter_spacing=”2px” title_line_height=”1.1em” meta_font=”||||||||” animation_style=”slide”][/et_pb_post_title][et_pb_text _builder_version=”3.3.1″]

O comércio sempre foi a forma mais usada de ganhar dinheiro. Desde os primórdios, as pessoas trocavam coisas e vendiam para conseguir sobreviver.

Com o tempo e o surgimento das indústrias, as práticas de vendas aumentaram substancialmente. Com elas, vieram as estratégias de marketing e distribuição. Afinal, para quem eu vou vender? Onde vou vender? Quando vou vender e por quanto vou vender?

Um dos maiores desafios das empresas é o gerenciamento de estoque. Onde estocar e por quanto tempo estocar? Outro problema comum para o pequeno e médio empresário são os diversos custos que um ponto físico exige. Geralmente, é necessária uma gama grande de pesquisas envolvendo o lugar onde o comércio será instalado, a análise de fornecedores e a análise do comportamento de compra do consumidor. Se eu estiver próximo de um shopping, por exemplo, será que vou conseguir vender e concorrer? Qual o diferencial?

No início do século, o comércio eletrônico chegou para resolver boa parte destas questões. Qualquer pessoa, com uma boa idéia e força de vontade, conseguia negociar produtos pela rede mundial de computadores. Com o passar dos anos e o crescimento astronômico do e-commerce, a concorrência aumentou e somente as lojas mais credenciadas e seguras tiveram sucesso em suas operações.

Dentre várias aspectos que levam uma loja virtual ao sucesso, estão a instalação de uma plataforma correta e que atenda as expectativas, os investimentos em marketing digital e as ações feitas nas mídias sociais. Como sua loja pode se destacar diante de tantas outras que na rede estão?

A Yes Marketing pode ajudar você nesta empreitada! Temos profissionais especializados para analisar a demanda e verificar quais ações realmente serão efetivas. Nossa empresa pode ajudá-lo nos seguintes aspectos:

  • Qual plataforma devo usar?
  • Quais estratégias de marketing devo adotar?
  • Como atender meu público alvo?
  • Como atingir o público alvo sem desperdiçar investimentos?
  • Como fazer o pós venda?
  • Como deixar minha loja bem posicionada nos buscadores, como o Google e o Yahoo!?

Esses são somente alguns assuntos que a Yes! pode ajudar. Entre em contato conosco e peça um orçamento.

Saiba mais sobre os números do e-commerce no Brasil:

  • Em 2012 o setor fechou o ano com R$ 22,5 bilhões de faturamento, um crescimento nominal de 20% em relação a 2011, quando havia registrado R$ 18,7 bilhões em vendas de bens de consumo. A segunda metade do ano conseguiu equilibrar a balança principalmente pela elevação do tíquete médio um pouco maior no 2º semestre: R$ 338 X R$ 346;
  • Ao todo, foram realizados 66,7 milhões de pedidos em 2012, um valor 24,2% maior do que o registrado no ano anterior. E com uma maior demanda de pedidos, também aumentou o número de consumidores virtuais: 10,3 milhões de novos entrantes. Com isso, já são mais de 42,2 milhões de pessoas que fizeram, ao menos, uma compra online até hoje no Brasil;
  • Em 2012, 46% das pessoas que fizeram sua primeira compra online até hoje, possuíam renda familiar entre R$ 1.000,00 e R$ 3.000,00, faixa pertencente à Classe C. As categorias com maior volume de pedidos foi definida da seguinte maneira: ‘Eletrodomésticos’ em primeiro, com 12,4%, seguida de ‘Moda e Acessórios’, cada vez mais consolidada, com 12,2%. Em terceiro, ‘Saúde, beleza e medicamentos’ com 12%. Completando o ranking ficaram ‘Informática’ com 9,1% e ‘Casa e Decoração’, com 7,9%;
  • 54% dos pedidos realizados foram com frete grátis, o que gerou uma “economia” de R$ 1,09 bilhão aos bolsos dos brasileiros. Um valor superior se comparado ao montante total gasto com frete no Brasil em 2012: os 46% dos pedidos restantes geraram um custo adicional de R$ 932,1 milhões;
  • Durante o ano de 2012, o setor de Compras Coletivas faturou R$ 1,65 bilhão, um crescimento nominal de 8% em relação a 2011. O número de ofertas adquiridas, no entanto, obteve um crescimento muito acima, com 25,3 milhões de pedidos, o que representou um avanço de 30% se comparado a 2011;
  • Em Janeiro de 2012, o share em volume transacional do M-Commerce era de 0,8%. Em Junho, já registrava 1,3% e em Janeiro de 2013 alcançou 2,5%;
  • Os números do comércio eletrônico no Brasil continuarão em ascensão em 2013. De acordo com previsão realizada pela e-bit, empresa especializada em informações do setor, o e-commerce B2C deve apresentar um crescimento nominal de 25%, chegando a um faturamento de R$ 28 bilhões em 2013;

Os dados foram fornecidos pelo site e-Bit.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Because advertising and marketing is an art, the each new problem or challenge should begin canvas and an open mind with the nervous.

Borrowings of other people’s mediocrities. Tha what ‘trends’ are – a search for something.